Página 259 – Domingo, 14 de Agosto de 1881

DETALHES DO PASSEIO DE GUSTAVO E TOBIAS POR COIMBRA – PORTUGAL

Inspirado pelo Espírito João Pedro

Domingo, 14 de Agosto de 1881 – Página 259 do Livro Físico

Carlão, morador da Res publica Leão Dourado, sai com Gustavo e Tobias para apresentar Coimbra e aproveita para contar um pouco da História da cidade para os rapazes. Os relatos começam a partir da frase que está na página 259: “— Aproveitando, explicarei um pouquinho da história desta bela cidade.”

Enquanto caminham, Carlão relata o passado de Coimbra.

— Coimbra é o berço de seis reis de Portugal. A cidade teve o seu primitivo núcleo de povoamento no alto da colina, a 160 metros de altura, às margens do Rio Mondego. Os romanos a chamaram de Ermínio, por ter sido erguida nesta colina. Com o aumento de sua importância, passou a ser sede de Diocese, substituindo a cidade romana de Conímbriga, de onde deriva o nome Coimbra. Por volta dos anos 700, os mouros invadiram e ela tornou-se um importante entreposto comercial entre o norte cristão e o sul árabe, com uma forte comunidade moçárabe. A cidade cresceu com um traçado sinuoso de ruas estreitas, ligadas por uma teia de becos e travessas, circundada por grandes muralhas de pedra. Algumas ruas acompanham o traçado destas muralhas.

São tantas histórias que, ao se aproximarem do Largo da Paróquia de São Cristóvão, para de andar e continua com suas explicações antes de mostrar o local.

— A muralha foi construída no período romano e ao longo dos séculos seguintes, sob o domínio visigótico, islâmico e cristão, sofreu sucessivas obras de conservação e alterações. Ela percorria 1800 metros, circundando 22 hectares e contava com cinco portas – da Almedina, da Belcouce, da Traição, do Sol e a Porta Nova – além de inúmeras torres. Em 871, tornou-se o condado de Coimbra e em 1064, se não me engano, Fernando Magno de Leão, reconquista a cidade, que renasce como a mais importante abaixo do rio Douro. Com o Condado Portucalense, o conde D. Henrique e a rainha D. Teresa fazem aqui a sua residência e dentro da segurança de suas muralhas, nasce o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques.

Após alguns minutos, dá uma pausa, dizendo:

— Eu falo demais, não é? Mas adoro repassar conhecimento. Posso continuar? Ou estão cansados? – Começa a gargalhar.

— Claro que sim. Eu gosto sempre de assimilar novos conhecimentos. Pode prosseguir.

— Concordo com Gustavo – diz Tobias timidamente.

— Gostei. Então vos preparais, tenho muito a ensinar – novas gargalhadas.

Carlão aproveita a ânsia dos rapazes e continua descrevendo a história de sua cidade querida: Coimbra.

— Continuando. A cidade cresceu vertiginosamente e no século XII teve sua malha urbana dividida entre a cidade alta e baixa. A Alta ou Almedina, é onde viviam os clérigos, os aristocratas e hoje nós, os estudantes. Do lado de fora das muralhas, temos a Baixa, onde se aglomeravam o povo, os comerciantes e os artesãos. Em meados do século XVI, surgiu a Universidade e a história da cidade passou a girar em torno dela. A UC e a maioria das moradias estudantis estão situadas em Almedina, ou seja, na Alta cidade. Sobre a história da Universidade eu explico no dia em que a visitarmos. Com o surgimento da universidade, a cidade se expandiu fora dos muros e a muralha desapareceu em vários trechos com as reformas sofridas. Coimbra teve tempos difíceis com a invasão francesa e com a extinção das ordens religiosas. Porém, na segunda metade de oitocentos, volta a recuperar o esplendor perdido, surgindo o primeiro telégrafo elétrico na cidade e a iluminação a gás; em 1864 é inaugurado o caminho de ferro e em 1875 nasce a ponte férrea sobre as águas do Mondego. Temos uma população atual de 46 mil almas.

Ao final do relato histórico, Carlão finaliza:

— Pronto. Assim vos situei na história. Agora vamos às construções importantes.

Carlão, com movimentos exagerados dos braços, aponta para a Igreja de São Cristóvão e mais uma vez tece um rosário de informações históricas sobre a localidade. 

Antes de partirem, ainda diz:

— Ah! A Universidade está logo ali atrás, a umas três quadras, pertinho da nossa casa. Então não terás desculpas para atrasos, Gustavo.

Em seguida, seguem a caminhada voltando pela rua Quebra Costas até chegarem à Torre de Almedina. Atravessam por um Arco dentro da muralha, chegam à Porta de Barbacã. Novamente Carlão para em frente aos rapazes e com gestos explica:

— A Porta de Barbacã e a Torre de Almedina faziam parte do sistema defensivo de Coimbra, pertencente à antiga muralha. Essa era a principal porta de entrada da cidade intramuros. Aqui estamos na Baixa de Coimbra.

Após as explicações, fica parado, olhando para a direita e esquerda da rua, falando sozinho. “E agora, eu os levo aonde primeiro? Ah! Já sei!” Depois vira, olhando para Gustavo e Tobias, e diz:

— E agora, eu os levo aonde primeiro? Ah! Já sei.

Depois vira, olhando para Gustavo e Tobias, e diz:

—Vamos subir a rua até a Igreja de Santa Cruz. Falando nisso, essa é a rua da Calçada[1], é uma artéria da cidade de Coimbra, contendo o mesmo traçado desde os tempos medievais. Ela e as ruas contíguas foram alargadas em 1859 a pedido do Presidente da Câmara, por se tratar da estrada principal que liga Lisboa a Porto. Seguiremos pela rua da Calçada, depois pela Rua do Coruche [2] até o Mosteiro de Santa Cruz.

Eles sobem algumas quadras até chegarem a um Largo.

— Este é o Largo de Sansão. Recebeu esse apelido pelo povo devido a uma fonte de mesmo nome instalada em 1592, e esta é a Igreja de Santa Cruz. O altar abriga os túmulos dos dois primeiros reis de Portugal: D. Afonso Henriques e D. Sancho I. Ela faz parte do Mosteiro de Santa Cruz, fundado em 1131 no exterior das muralhas.

Eles conhecem toda a Igreja, bem como os túmulos, e, ao saírem novamente ao Largo, Carlão diz:

— Ah! Esqueci-me de mencionar: aquela rua ali – apontando para a esquina à direita – é a rua Santa Sofia[3]. Ela foi construída no intento de abrigar de um lado da rua os colégios religiosos e do outro as habitações para professores e estudantes.


[1] Rua da Calçada – Atual Rua Ferreira Borges. Esta é a rua central de Coimbra, a rua que liga a Portagem à rua da Sofia. Corresponde, possivelmente, ao traçado da antiga estrada romana que servia a cidade.

[2] Rua do Coruche – Atual Rua Visconde da Luz.

[3] Rua Santa Sofia – Atual Rua Sofia.


Gostou do texto? Então Compartilhe.
Alguma dúvida ou sugestão? Poste aqui ou, se preferir, envie um e-mail adrianatenchini@outlook.com

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.

Páginas Perdidas

Um único livro, ás vezes, não é capaz de descrever em detalhes todos os momentos, lugares, personagens que viveram nessa história. Se você já leu, “Amor Além do Tempo”, talvez o seu coração sentiu vontade de saber mais sobre a história ou de que ela nunca acabasse. Pode ser que você nunca tenha lido, mas está curioso para saber o que lhe aguarda a cada virada de página… Sendo assim, apresento a vocês as PÁGINAS PERDIDAS do livro “Amor Além do Tempo”, basta escolher por onde gostaria de começar sua viagem no tempo.

Assine meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.

Todos os Posts

Índice Posts – Livros

Abacaxi Alface Amor Amor Além do Tempo Angu Ano novo Arroz Aveia Babaganoush Banana Berinjela Camarão caseiro Ceia Cenoura Coimbra Comida da vovó Comida mineira Conceitos e Teorias Cozinha Brasileira Cozinha espanhola Cozinha francesa Cozinha Internacional Cozinha Mineira Cozinha portuguesa Cozinha árabe Dia a dia Divertimento Editora sete autores Encanto Ervilha Espaguete Espiritualidade Farofa Frutos do mar Fusion food Gastronomia Gostosura Grão de bico História da alimentação História da gastronomia Homus Idade media Idade moderna Infância Inhame Irlanda Itália Lanche sem Lactose lanche vegano Lançamento Leite vegetal Linguiça Lombo Maracuja Massa Massa fresca massa italiana Massas Maçã Menu Natalino Milagre das rosas Mineirice Molhos Networking Parceria Passeio pasta pasta italiana Pate Pate de berinjela Pate de cenoura Pate de ervilha Patês Petisco Poesia Portugal Psicografia Purê Páginas Perdidas Pão Quaresma Quinoa Rabanada Receitas Receitas reveillon Romance mediúnico Saladas Saudavel Saudável Sem Lactose Sobremesas Sobremesas sem lactose Tomate Vegana Veganismo Vegetariana Viagem Vídeos Youtube

Escritora, Produtora de Conteúdo, Publicitária e Gastrônoma.

Siga as minhas redes sociais.

%d blogueiros gostam disto: