Página 261 – Domingo, 14 de Agosto de 1881

A QUINTA DAS LÁGRIMAS – HISTÓRIA DE PEDRO E INÊS DE CASTRO. CONTINUAÇÃO DO PASSEIO DE GUSTAVO E TOBIAS. COIMBRA, PORTUGAL.

Inspirado pelo Espírito João Pedro

Domingo, 14 de Agosto de 1881 – Página 261 do Livro Físico

Carlão, morador da Res publica Leão Dourado, no passeio com Gustavo e Tobias por Coimbra, relata um pouco da História e das lendas da cidade. O texto começa a partir da frase que está na página 261 do livro Amor além do Tempo: “— Cansados? Ainda quero vos levar em um último local, que tem uma história de final trágico, porém, muito romântica. A famosa história de Pedro e Inês de Castro.”

— Claro que não, mostra-nos tudo. O aprendizado está ótimo – diz Gustavo satisfeito.

— Então… vou levar-vos até a Quinta das Lágrimas, onde tudo aconteceu.

Após caminhar três quadras, chegam a Quinta e novamente Carlão conta a história oficial aliada a popular.

— Essa propriedade denominada no passado como Quinta do Pombal, era a casa de caça da Família Real Portuguesa e nela se encontram as chamadas Fonte dos Amores e Fonte das Lágrimas. Em 1326, a Rainha Santa Isabel mandou construir um canal para levar a água de duas nascentes para o Convento de Santa Clara. O sítio de onde saia a água chamou-se “fonte dos amores”, por ter presenciado a paixão de D. Pedro, neto da rainha, por Inês de Castro. A outra fonte da quinta foi denominada por Luís de Camões como “Fonte das Lágrimas”, referindo que ela nascera das lágrimas de Inês ao ser assassinada. Conhecem essa história? É uma história de amor dramática.

— Não, diz qual é. – Desta vez é Tobias desinibido que pede.

— O Infante Pedro era o futuro rei de Portugal, filho de D. Afonso IV. Eles moravam em Lisboa e como é de costume, foi obrigado a se casar por motivos políticos, com Constança Emanuel, uma nobre castelhana. Entre as damas de companhia de Constança estava Inês de Castro, uma mulher muito linda por quem o príncipe se apaixonou. A jovem correspondeu o sentimento e os dois mantinham um romance nada discreto que chocou toda a corte. Além disso, D. Afonso IV, não estava nada satisfeito com a influência dos dois irmãos de Inês sob Pedro. Para acabar com o romance, Constança quando engravidou convidou Inês de Castro para ser madrinha de seu filho, D. Luís de Portugal.

— O que é isso, que sangue frio! Ela não tinha ciúmes deles? – pergunta Gustavo.

— Não é este o caso. Isso foi uma manobra religiosa. Como sabes, entre padrinhos, madrinhas e os pais da criança cria-se um parentesco moral, ou seja, se eles continuassem juntos após o apadrinhamento, seria considerado como incesto. Esta foi a forma que Constança encontrou para separar os dois. Porém, D. Luís faleceu e o romance continuou. Por fim, o Rei cansado dos mexericos na corte, exilou Inês de Castro em Albuquerque, na fronteira com a Espanha, achando assim que teria paz.

— E ele conseguiu resolver? – pergunta aflito Tobias, que quer logo saber o final.

Carlão gargalha e continua:

— Não. Um ano depois, quando Constança deu à luz ao seu segundo filho, faleceu no parto. Pedro rapidamente mandou buscar Inês de Castro e os dois vieram morar no palácio na Quinta, em Coimbra. O romance dos dois ia muito bem e no período de 1346 a 1354, tiveram quatro filhos. Pedro se recusava a se casar com outra nobre, com o pretexto que ainda sofria por sua esposa falecida. Os filhos ilegítimos de Inês eram uma clara ameaça ao trono de Portugal e surgira também o boato de que a família dela pretendia assassinar o Rei D. Afonso IV. Assim, cedendo à pressão dos fidalgos, o Rei mandou matar Inês de Castro.

Tobias que está compenetrado na história pronuncia um “ohhh”, tapando a boca com as mãos. Carlão e Gustavo desatam a rir.

— No dia 7 de janeiro de 1355, aproveitando que Pedro viajava em uma caçada, três homens a mando do rei emboscaram Inês nos jardins, onde ela e Pedro costumavam se encontrar, a Quinta dos amores, e a assassinam friamente.

— Meu Deus! – mais uma manifestação de Tobias.

— A lenda diz que as lágrimas derramadas teriam criado a fonte e o sangue que escorreu ficou marcado até hoje nessas algas. Vejam!! – diz Carlão, apontando para o fundo.

Tobias se aproxima para olhar dentro da fonte e se assusta ao ver o fundo vermelho. Em seguida, olhando para Carlão, pergunta:

— Nossa! E o que Pedro fez? Se vingou?

— Sim. Quando Pedro voltou da caçada, descobriu o que seu pai fez e revoltado entrou em conflito armado que durou meses, somente cessando com a interferência da Rainha. Dois anos depois, D. Afonso IV morreu e D. Pedro I foi coroado como o oitavo rei de Portugal. Ao assumir o trono, ordenou que cassassem os três homens responsáveis pela morte de Inês. Encontrou dois deles e os assassinou, mandando arrancar o coração de um pelo peito e do outro pelas costas, enquanto Pedro assistia e se banqueteava.

— Ele se vingou mesmo – fala Tobias.

— Mas não foi só isso, Tobias, ainda teve mais. O novo rei afirmou que havia se casado secretamente com Inês de Castro, num dia que não se lembrava e usou a palavra do capelão e do criado para confirmar. Desta forma, D. Inês era uma rainha póstuma. O Rei mandou construir dois túmulos magníficos no convento de Alcobaça – um para ela e outro para ele –, com as sepulturas uma de frente para a outra, para que quando despertassem no juízo final, pudessem se olhar frente a frente. Porém, antes de levar o corpo de D. Inês para o novo túmulo, D. Pedro I colocou o cadáver da amada no trono, obrigando a nobreza portuguesa – sob pena de morte – a realizar a cerimônia de beija mão à Rainha morta.

— Que horror! – diz Tobias.

O relato chocou Gustavo e principalmente Tobias, que horrorizado, com algumas cenas, manifesta-se exageradamente fazendo com que Carlão e Gustavo desatem a rir, sendo acompanhados depois por Tobias.

 — Então, gostaram do que viram? Estes são apenas alguns pontos. Coimbra tem bem mais que isso, mas com o tempo poderão conhecer todos. Agora vamos caminhar de volta a Leão Dourado, estou faminto. Cidinha está preparando uma deliciosa bacalhoada à moda portuguesa. Irão adorar.  

Páginas Perdidas

Um único livro, ás vezes, não é capaz de descrever em detalhes todos os momentos, lugares, personagens que viveram nessa história. Se você já leu, “Amor Além do Tempo”, talvez o seu coração sentiu vontade de saber mais sobre a história ou de que ela nunca acabasse. Pode ser que você nunca tenha lido, mas está curioso para saber o que lhe aguarda a cada virada de página… Sendo assim, apresento a vocês as PÁGINAS PERDIDAS do livro “Amor Além do Tempo”, basta escolher por onde gostaria de começar sua viagem no tempo.

Assine meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.

Todos os Posts

Índice Posts – Livros

Alface Amor Amor Além do Tempo Arroz Berinjela Camarão Ceia Cenoura Coimbra Comida da vovó Conceitos e Teorias Cozinha Brasileira Cozinha Internacional Editora sete autores Encanto Espiritualidade Farofa Gastronomia História da alimentação História da gastronomia Itália Lançamento Lombo Menu Natalino Molhos Pate Patês Petisco Poesia Portugal Psicografia Páginas Perdidas Quaresma Receitas Receitas reveillon Romance mediúnico Saladas Sem Lactose Sobremesas Sobremesas sem lactose Tomate Vegana Vegetariana Vídeos Youtube


Gostou do texto? Então Compartilhe.
Alguma dúvida ou sugestão? Poste aqui ou, se preferir, envie um e-mail adrianatenchini@outlook.com

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.

Escritora, Produtora de Conteúdo, Publicitária e Gastrônoma.

Siga as minhas redes sociais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: