Página 261 – Domingo, 14 de Agosto de 1881

O MILAGRE DAS ROSAS. CONTINUAÇÃO DO PASSEIO DE GUSTAVO E TOBIAS POR COIMBRA

Inspirado pelo Espírito João Pedro

Domingo, 14 de Agosto de 1881 – Página 261 do Livro Físico

Carlão, morador da Res publica Leão Dourado, no passeio com Gustavo e Tobias por Coimbra, relata um pouco da História e das lendas da cidade. O texto começa a partir da frase que está na página 261 do livro Amor além do Tempo: “— Ah, sim… Então vamos seguir caminho?”

Ao receber um aceno de cabeça afirmativo, voltam pelas ruas Coruche e Calçada até chegarem ao Largo da Portagem e cruzam o rio Mondego. Mais uma vez, Carlão descreve minuciosamente os detalhes históricos por onde passam, começando pela ponte de Santa Clara e em seguida o Mosteiro de Santa Clara, o velho e o novo. Não se esquece de contar, além da história oficial, as histórias populares, como a lenda portuguesa do Milagre das Rosas.

— Esta é a ponte de Santa Clara e passa sobre rio Mondego. A ponte de ferro como vês agora foi inaugurada em 1875. Porém, antes dela existia outra. A ponte de D. Manuel que foi construída em 1513. Ela tinha 24 arcos, que eram altos suficiente para permitir a passagem das barcas com as velas abertas. Era a ponte mais bonita e mais comprida do país, além de ser o local preferido dos estudantes que frequentavam o Mondego. Eu particularmente acho que a ponte atual perdeu o charme de outrora. Essa gaiola metálica apoiada em pilares de pedra, nada tem de belo como a antiga ponte que vemos retratada em diversas pinturas. Estes são os pontos negativos da modernização, na minha opinião, meu amigo.

Eles andam mais duas quadras, após atravessarem a ponte, para chegar no Mosteiro de Santa Clara e no caminho Carlão fornece suas explicações.

— O Mosteiro é da ordem das irmãs Clarissas, que foi fundada por Santa Clara e São Francisco de Assis, na Itália em 1263. Em Coimbra começou em 1283, quando D. Mor Dias concedeu a carta de licença e construiu uma casa e a igreja em honra de Jesus Cristo, de Santa Maria e de Santa Clara. Em 1292, D. Mor Dias foi excomungado e a igreja informou aos cristãos que evitassem ouvir a missa no Mosteiro. A Rainha Isabel, determinada em manter as Irmãs Clarissas, conseguiu com o papa, licença para refundar o Mosteiro, cuja reconstrução acompanhou de perto. A rainha se casou quando tinha 12 anos por procuração com D. Dinis e teve dois filhos, Constança que se casou com o Rei Fernando IV de Castela e D. Afonso IV, sucessor de D. Dinis ao trono de Portugal e pai de Pedro I, da famosa história de Pedro e Inês de Castro. Essa eu conto daqui a pouquinho quando chegarmos na Quinta das Lágrimas.

Carlão começa a rir. Eles chegam em frente ao Mosteiro e parados o rapaz continua o seu relato.

— D. Dinis morreu em 1325 e após sua morte a rainha recolheu-se no Mosteiro de Santa Clara, vestindo o hábito da Ordem das Clarissas, mas sem fazer os votos. Saiu do Mosteiro somente uma vez, em 1336, pouco antes de sua morte, para ir a Entremoz. Foi informada que seu filho Afonso IV iria entrar em guerra contra D. Afonso XI, filho de Constança, seu neto. Em Entremoz ela faleceu, no dia 4 de julho de 1336, aos 66 anos. Seu corpo foi enviado para Coimbra e sepultado aqui na capela do Mosteiro – diz Carlão apontando. — Quanto ao Mosteiro, este após sofrer por constantes inundações pelo rio Mondego, foi abandonado após ser construído um novo. Aquele ali, estão vendo? – Aponta Carlão. — Aquela imponente construção a umas cinco quadras acima. – Quando confirma que os amigos identificaram, continua seu relato. — Então… as Clarissas se transferiram para o mosteiro novo em 1677 e esse passou a se chamar de Mosteiro de Santa Clara-a-velha, que entrou em processo de abandono e deterioração. O outro passou a ser chamado de Mosteiro de Santa Clara-a-nova.

Eles conhecem o velho Mosteiro e ao sair Carlão ainda conta:

— Isabel era uma rainha muito piedosa, passando grande parte do seu tempo em oração e ajudando aos pobres. Por isso, ainda em vida, era considerada uma santa e sua fama aumentou após sua morte. Vários milagres são atribuídos a ela, como a cura de sua dama de companhia e de diversos leprosos, porém, o mais conhecido e que se tornou uma lenda portuguesa é o Milagre das Rosas. Segundo a lenda, a Rainha saiu do Castelo em uma manhã de inverno para distribuir pães aos necessitados, sendo surpreendida no caminho pelo rei D. Dinis, que lhe questionou o que ela levava em seu manto. A rainha respondeu: “São rosas, meu senhor!” O Rei desconfiado disse: “Rosas, em janeiro?” D. Isabel se vê obrigada a abrir o manto e nele, para sua surpresa, havia rosas ao invés dos pães que ocultara. Este é considerado um dos primeiros milagres dela. Existe ainda uma outra lenda: dizem que quando o seu corpo defunto estava sendo transportado para Coimbra, ele cheirava a rosas. Isabel foi beatificada em 1516, pelo Papa Leão X e canonizada pelo Papa Urbano VIII, em 1625. Hoje em dia, a Rainha Santa Isabel é a padroeira de Coimbra e o dia 4 de julho é festejado na cidade. Os milagres atribuídos a ela trazem peregrinos de diversas partes.


Gostou do texto? Então Compartilhe.
Alguma dúvida ou sugestão? Poste aqui ou, se preferir, envie um e-mail adrianatenchini@outlook.com

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.

Páginas Perdidas

Um único livro, ás vezes, não é capaz de descrever em detalhes todos os momentos, lugares, personagens que viveram nessa história. Se você já leu, “Amor Além do Tempo”, talvez o seu coração sentiu vontade de saber mais sobre a história ou de que ela nunca acabasse. Pode ser que você nunca tenha lido, mas está curioso para saber o que lhe aguarda a cada virada de página… Sendo assim, apresento a vocês as PÁGINAS PERDIDAS do livro “Amor Além do Tempo”, basta escolher por onde gostaria de começar sua viagem no tempo.

Assine meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.

Todos os Posts

Índice Posts – Livros

Escritora, Produtora de Conteúdo, Publicitária e Gastrônoma.

Siga as minhas redes sociais.

%d blogueiros gostam disto: